junho 1, 2019

Shaun Heng | AVIXAShaun Heng, CTS-D, CTS-I
Gerente-geral assistente, Panasonic System Solutions
Região Ásia-Pacífico

A produção de grandes eventos esportivos tem sido um desafio enorme para os profissionais AV em todo o mundo. Shaun Heng, CTS-D, CTS-I é um veterano na indústria AV e liderou equipes a fim de garantir o mais alto nível de entretenimento visual, assegurando que os sistemas AV funcionassem com perfeição durante os Jogos Olímpicos de 2012, 2014, 2016 y 2018. Heng compartilha conosco suas dicas e como a sua formação técnica CTS o tem preparado para as grandes responsabilidades dos jogos. Um exemplo para todos que trabalham ou almejam trabalhar em grandes projetos esportivos, no Brasil e no mundo.

Shaun Heng, CTS-D, CTS-I, é um veterano de AV com profunda experiência em campo, especialmente no suporte a sistemas de display de LED em eventos esportivos de grande importância.

Começando com as Olimpíadas de Londres em 2012, Heng representou a Panasonic, uma parceira de tecnologia dos Jogos Olímpicos de longa data, na gestão do suporte para sistemas de displays de LED de grande formato para inúmeras edições dos jogos. Eles incluem os Jogos Olímpicos de Inverno de 2014 em Sochi, os Jogos Olímpicos de Verão de 2016 no Rio e os Jogos Olímpicos de Inverno de Pyeongchang em 2018 na Coreia do Sul.

Para garantir que as incríveis façanhas de atletismo fossem levadas ao público ao vivo com o mais alto nível de entretenimento visual, Heng liderou as equipes que garantiram o perfeito funcionamento do sistema. Aqui ele compartilha como seu treinamento técnico e suas credenciais do CTS o deixam preparado para as responsabilidades apresentada pelos jogos.

Agora, como Gerente-geral assistente da Panasonic System Solutions da região Ásia-Pacífico, Heng lidera o departamento de vendas de soluções no sudeste da Ásia para o setor de entretenimento.

P: Qual é o foco principal na coordenação de exibições de grandes formatos, como os Jogos Olímpicos?

Heng: Minimizar a latência é uma das principais preocupações. Com todas as câmeras ao vivo e cronometragem na tela, não há tolerância nem mesmo para milissegundos de latência. Também é preciso dizer que os sistemas precisam funcionar sem problemas.

P: Como o treinamento do CTS o ajudou a atingir esses objetivos?

Heng: Todos os fundamentos técnicos articulados nos exames do CTS realmente vieram a calhar. No que se refere ao cálculo do tempo de processamento, à seleção de equipamentos de back-end, cabos, sinal ou largura de banda, o treinamento e as melhores práticas definitivamente fizeram a diferença no planejamento e na execução do projeto.

Exibição dos Jogos Olímpicos | AVIXA

Além disso, nas fases de planejamento e design dos jogos, tivemos de consultar o Comitê Olímpico, que representava diversas origens, metas e expectativas. Os materiais do CTS me proporcionaram fluência nos protocolos, processos e padrões do setor para tornar a comunicação do projeto muito mais fluida. Também aumentou minha confiança para trabalhar com equipes diferentes.

P: Como a tecnologia para exibição em grandes formatos evoluiu para as Olimpíadas ao longo dos anos?

Heng: A distância entre os pixels certamente apresentou melhorias no sentido de oferecer uma experiência de imagem com resolução cada vez maior. E a partir dos jogos do Rio em 2016, a experiência dos jogos foi bastante aprimorada, integrando o vídeo e o quadro de pontuação lado a lado. No mesmo ano, nos afastamos do tipo convencional de gabinete de aço para o design de carcaça de alumínio fundido. O novo design proporcionou uma redução significativa no carregamento de peso, o que se traduziu em economia de custos logísticos e estruturais.

P: Você tem trabalhado em inúmeras edições das Olimpíadas ao longo dos anos. Você enfrentou desafios diferentes de uma Olimpíada para outra?

Heng: Cada país tinha padrões e processos diferentes, os quais tivemos que aprender e nos adaptar. Este foi um desafio porque tivemos que nos ajustar a padrões altos e baixos.

Em algumas Olimpíadas, tivemos que planejar padrões muito mais rígidos que os internacionais. E para outras, onde os padrões de segurança eram mais relaxados, tivemos que convencer as equipes locais a se adequar às nossas normas de construção dos andaimes e das plataformas de trabalho para que tudo ficasse de acordo com nossos cálculos de carga e, dessa forma, garantir que a estrutura fosse estável.

Em um caso, também estávamos lidando com escassez de fornecimento de energia e atrasos na construção do local. Isso significa que os testes precisaram ser encurtados. Felizmente, a equipe da Panasonic trouxe muita experiência e conhecimento e conseguiu superar esses desafios e oferecer ótimos resultados no final.

Exibição dos Jogos Olímpicos | AVIXA

P: A certificação CTS é uma prioridade nas decisões de sua equipe quando está contratando?

Heng: Eu sempre dou pontos extras para candidatos que são certificados.

Mesmo quando estava administrando minha própria empresa antes de ingressar na Panasonic, eu encorajava minhas equipes técnicas e de vendas a obter treinamento e certificação para que pudessem oferecer a melhor experiência e sistemas para o mercado.

P: Depois de obter o CTS-D, você decidiu partir para a certificação CTS-I no ano passado e foi aprovado com sucesso. Considerando essa sequência de certificações, como você descreveria sua jornada de CTS para profissionais de AV?

Heng: Antes que alguém cogite ter o CTS, primeiro deve ter conhecimento básico e experiência em AV. Em seguida, o processo de certificação CTS pode ajudar a aprofundar seu conhecimento técnico e ajudá-lo a demonstrar esse compromisso para com os empregadores e clientes.

Muitos colegas com quem me deparo hesitam por duas razões: ou têm medo de fracassar ou não querem comprometer o tempo.

Para mim, passar com sucesso nos testes de certificação certamente aumenta a sua credibilidade. Mas apenas o fato de passar pelo processo de preparação é, por si só, uma ótima experiência de aprendizado. Estou no setor há 20 anos e, quando fiz o CTS-I no ano passado, tive a chance de atualizar alguns conceitos e melhorar minha compreensão de alguns fundamentos básicos e outros tópicos com os quais eu estava menos familiarizado, e isso foi ótimo.

Buscar a certificação CTS é uma jornada que vale a pena.