abril 9, 2020

Empresas tomam medidas duras e se esforçam para entender como será o mercado após a pandemia.

A Pesquisa de Impacto é uma avaliação semanal das tendências, atitudes e percepções da Indústria AV Profissional durante a pandemia da COVID-19.

Conclusões Principais
  • Como em todo o mercado de trabalho, as empresas AV estão tomando decisões difíceis sobre a sua força de trabalho.
  • Com os programas de assistência do governo sendo colocados em prática, quase metade das empresas está aderindo a eles.
  • Muitos já estão especulando como será o ambiente de negócios após a pandemia.

A AVIXA™ analisa os resultados da Pesquisa de Impacto COVID-19 desta semana levando em conta as notícias de que algumas partes do mundo podem estar atingindo o pico da COVID-19, enquanto outras podem estar enfrentando novos surtos. Nos EUA, nas últimas duas semanas, os relatos se concentram nos esforços extraordinários dos profissionais de saúde e dos socorristas para tratar o número crescente de pessoas infectadas. Eles também tratam da perda de empregos.

Após anos de crescimento ininterrupto nos níveis de emprego dos Estados Unidos, o número recorde de desempregados, após as medidas para minimizar a disseminação do coronavírus, reverteu subitamente essa tendência. Enquanto escrevemos, mais 6,6 milhões de americanos reivindicaram o seu seguro-desemprego – além dos cerca de 10 milhões nas duas semanas anteriores.

A AVIXA lançou o Índice Pro-AV em setembro de 2016 para avaliar mensalmente o sentimento do setor sobre as vendas e o emprego. Ele compreende duas medidas: O Índice de Vendas AV (AVI-S) e o Índice de Emprego AV (AVI-E). Uma pontuação acima de 50 indica crescimento. Em todos os meses e anos registrados, o AVI-E nunca esteve abaixo de 50 (nem o AVI-S, nesse caso). Nesse mês, o AVI-E atingiu 34 pontos. (No mundo, o AVI-E ficou abaixo de 50 em fevereiro, quando atingiu 39,7 pontos. O índice internacional é uma média móvel, portanto, a sua leitura negativa em fevereiro é um reflexo parcial de leitura negativa em março). O AVI-S chegou a 21,3 pontos, indicando uma desaceleração significativa e repentina nas vendas do mercado audiovisual profissional.

Muitos estão enfrentando a situação atual da melhor forma possível. Um provedor AV disse: “Temos planos para lidar com as proibições de viagens e o distanciamento social exigidos pelo governo federal e, até o momento, eles parecem suficientes para realizarmos o máximo de negócios, sem arriscar a saúde e o bem-estar da nossa equipe ou dos nossos clientes.”

Retração no mercado de trabalho começa a ser sentida

As tendências de emprego como as indicadas pela queda do AVI-E estão refletidas nos resultados da Pesquisa de Impacto. Nesta semana, ao perguntar pela primeira vez aos entrevistados sobre as medidas tomadas para manter as suas empresas durante a pandemia de coronavírus, 43% dos provedores AV disseram estar lançando mão de demissões ou licenças. Mais de 38% estavam reduzindo salários. (Em uma amostra muito limitada entre os profissionais de eventos ao vivo, 73% disseram ter recorrido às demissões/licenças e 91% estavam reduzindo os salários).

Quando perguntados sobre qual era o percentual de empregados dispensados ou licenciados pela empresa, as respostas abrangeram todas as possibilidades. As faixas mais comuns foram “de 6 a 10%” dispensados/licenciados (com 16% citando esse intervalo) e “mais de 50%” (também citada por 16% dos entrevistados).

No mercado internacional, os números mais citados para demissões/licenças foram “de 11 a 20%” (22% dos entrevistados) e “mais de 50%” (17% dos entrevistados). Claramente, o impacto sobre o emprego no mundo do AV profissional varia muito.

Um provedor AV afirmou: “Temos o maior volume possível de funcionários trabalhando em casa. Houve folgas e pessoas demitidas, o que era esperado. Eles também pediram que analisássemos a possibilidade de usar o banco de horas, se possível, uma vez que, quando os trabalhos aumentarem novamente, provavelmente não teremos esse luxo.”

Procurando ajuda para enfrentar a tempestade

Pela primeira vez, a área de Inteligência de Mercado da AVIXA perguntou aos pesquisados se eles solicitaram apoio do governo. A AVIXA realizou um webinar sobre o U.S. CARES Act (Lei federal dos Estados Unidos que direciona US $ 2 trilhões em financiamento para esforços de ajuda, devido à crise da COVID-19) e como as empresas podem solicitar auxílio financeiro. De acordo com a Pesquisa de Impacto, 46% dos provedores AV indicaram que as suas empresas solicitaram apoio do governo; 39% disseram que estão usando reservas de caixa para financiar as operações.

Quando perguntados sobre as medidas que estão tomando, 30% dos clientes (usuários finais de AV profissional) disseram que solicitaram assistência, mas 33% dos entrevistados não sabiam ou não indicaram como suas empresas estavam enfrentando o impacto nos seus negócios. Um deles disse: “O trabalho segue normalmente em casa. Estou descobrindo que muitos estão se acostumando a este modo de trabalhar e aperfeiçoando as suas habilidades nas tecnologias de trabalho remoto.”

O que não está funcionando normalmente para os usuários e provedores AV é a cadeia de suprimentos do setor. Pela quarta semana consecutiva, aumentou o percentual dos participantes da Pesquisa de Impacto que mencionam o efeito negativo das interrupções na cadeia de suprimentos

Nesta semana, 46% dos usuários finais e fornecedores disseram que as interrupções na cadeia de suprimentos tiveram impacto ainda pior do que na semana anterior, acima de 35% e 42%, respectivamente.

Ainda assim, algum trabalho continua. Um usuário final comentou: “Os projetos em andamento ou nas fases de engenharia e design ainda estão avançando, na esperança de que possamos instalá-los seguindo uma programação quase normal. Projetos que não chegaram a esse ponto estão sendo suspensos com uma frequência cada vez maior.”

Outro provedor AV mencionou: “A maior parte dos nossos projetos ainda está avançando, mas os cronogramas mudaram, com atrasos deliberados na conclusão. Afinal, os clientes não têm pressa, pois não têm certeza da receita que eles poderão gerar”.

Sondando além do horizonte

Com relação ao futuro, a maior parte de clientes e provedores AV (25% e 31%, respectivamente) ainda cita Junho como o mês em que provavelmente verão os projetos AV serem retomados. A porcentagem que prevê uma recuperação em Maio caiu ligeiramente.

Fora da América do Norte, as previsões continuam a se alongar um pouco mais, com uma parcela moderadamente maior apontando para Setembro.

Particularmente, quando perguntados sobre a situação atual, muitos entrevistados dizem ter começado a pensar no que virá a seguir. Aqui está uma amostra:

De acordo com um provedor AV, “quando as coisas voltarem ao normal, prevemos um grande aumento em áreas como eventos ao vivo e entretenimento temático”.

De acordo com outro, “Continuamos buscando opções de teleconferência para trabalhos internos e externos, quando disponíveis. Estamos experimentando novas maneiras de apresentar eventos ao vivo e no estilo de vídeo sob demanda para clientes que ainda desejam realizar os seus eventos... no próximo mês ou depois.”

Um profissional de eventos ao vivo disse: “As produções remotas estão acontecendo por enquanto. Em algum momento, após essa fase, reuniões e eventos ao vivo serão acelerados. A questão é: Como será essa aceleração? Um aumento gradual ou um foguete?”

E de um usuário final: “Os recursos dos trabalhadores remotos foram ampliados e melhorados. Eu os vejo ainda mais desenvolvidos após a crise”.

Os próximos resultados da pesquisa serão divulgados em 17 de abril.

Se você deseja participar da Pesquisa de Impacto da COVID-19 na Indústria AV, promovida pela AVIXA, ou de outros estudos do Painel de Inteligência, faça parte da AVIXA Insight Community em avip.avixa.org.

Visite avixa.org para obter as informações mais recentes sobre a COVID-19 e o seu impacto no setor AV, além de acessar todo o nosso catálogo de aprendizado on-line gratuitamente até 12 de junho.

 

Related Topics

Business of AV

Related Content